segunda-feira, 27 de maio de 2013

Escola aprova visita noturna aos museus



A visita noturna aos museus da Fundação Cultural de Blumenau está agradando os frequentadores dos espaços em horário alternativo. Na quinta-feira, dia 23 de maio, estudantes da Escola Básica Municipal Adelaide Starke foram recebidos às 19h. Os 42 alunos de Educação de Jovens e Adultos, subdivididos em dois grupos, conheceram os museus da Família Colonial, de Hábitos e Costumes e de Arte de Blumenau (MAB).

O agendamento atendeu ao projeto Museus Abrem à Noite para Visitação.  No MAB, os visitantes foram recebidos, também, pelo artista Rafael Erichesen da Silveira, que fez a mediação da visita na sala Especial, onde estão expostas as obras que fazem parte da Exposição [IDEIA CIRCULAR].

Sábado, dia 25 de maio, o diretor adjunto da Escola Básica Municipal Adelaide Starke, Gilberto Poncio, enviou e-mail de agradecimento pela atenção recebida na visita. A mensagem foi direcionada à diretora do Arquivo Histórico, Sueli Petry, MAB e Museu de Hábitos e Costumes. O diretor também agradeceu pela exposição do artista Rafael. "Sem dúvida, essa foi, em muitos casos, uma oportunidade única na vida de vários de nossos alunos da modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA)", comentou. "Obrigado por nos ajudar a construir uma educação mais completa, proporcionando acesso a cultura e à história viva de nossa cidade", concluiu.


Fonte: Mia Ávila, Gerência Museu de Arte de Blumenau (MAB), Fundação Cultural de Blumenau (47 3381-6176)
Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello (47 3381-6190 / 9977-8689) 


sexta-feira, 3 de maio de 2013

Diversidade foi o ponto alto da Noite Multicultural


Uma noite de quinta-feira especial para os amantes da cultura abriu seis exposições no Museu de Artes de Blumenau (MAB). A diversidade preparada foi um dos atrativos da segunda Noite Multicultural do ano. Até o dia 16 de junho, os fãs das artes poderão percorrer os salões da Fundação Cultural de Blumenau (Rua XV de Novembro, 161, Centro), onde estão montadas seis exposições: Manufaturado, de Maria Carmen Von Linsingen; A imagem, O punctum, a Fatura, de Elke Hulse; O Universo Onírico, de Jandira Lorenz; [Ideia Circular], de Rafael Erichsen da Silveira; Do comportamento afetivo das ervas-daninhas, de Jéssica de Souza Luz; e Arte/Cidade: Singular e Plural do Grupo Balburdia - projeto Arte na Cidade -, do Sesc Blumenau. A segunda Noite Multicultural do ano também foi palco para o lançamento do Livro "Aquilo que eu não pensei", de Fabrício Wolff e Eraldo Schnaider.

A promoção começou com a conversa com os artistas. Professores, arte-educadores, coordenadores-pedagógicos, artistas, acadêmicos, alunos de arte e a comunidade em geral participaram de interessante bate-papo sobre o universo das artes. O grupo New Vision, da Acevali, tocou três músicas clássicas da MPB, e ganhou aplausos da plateia. A performance do Coletivo Shakespeare Livre misturou os recursos da música e do teatro para cativar os presentes.

Na avaliação da gerente do MAB, Mia Ávila, a diversidade de temas foi destaque da segunda Noite Multicultural do ano. "Exposições de arte, lançamento de livro, performance teatral, atração musical, conversa com artistas deram luz e vida aos espaços da Fundação Cultural de Blumenau", comentou.

Para Patricia Constâncio, coordenadora de projetos de leitura da FCB, a Noite Multicultural foi um passeio entre diferentes técnicas utilizadas na manifestação das artes visuais. "Quem compareceu pode usufruir de uma agradável noite. O clima contribuiu, o público foi agradável, os artistas estiveram disponíveis para dialogar com os presentes e a diversidade nas linguagens artísticas foi o grande diferencial", comentou sobre a promoção da Fundação Cultural que atraiu a sociedade blumenauense interessada música, teatro, artes visuais, literatura e vídeo.

Quem perdeu a Noite Multicultural ainda podem apreciar as exposições até 16 de junho. O MAB abre de terça-feira a domingo, das 10h às 16h. Visitas mediadas podem ser marcadas pelo telefone 3381-6176. A entrada é franca.
  
 Fonte: Mia Ávila, gerente do MAB  (47 3381-6176 / 9927-9877), e Ricardo Pimenta, diretor de Cultura da Fundação Cultural de Blumenau (47 3381- 6193)

Assessor de Comunicação Sergio Antonello (47 3381-6190 / 9977-8689)

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Noite Multicultural apresenta atrações do MAB


A Fundação Cultural de Blumenau promove a segunda Noite Multicultural do ano, nesta quinta-feira, dia 2 de maio, com a abertura das exposições Manufaturado, de Maria Carmen von Linsingen; A imagem, o punctum, a fatura, de Elke Hülse; O Universo Onírico, de Jandira Lorenz; [Ideia Circular], de Rafael Erichsen da Silveira; e Do comportamento afetivo das ervas-daninhas, de Jéssica de Souza Luz. Haverá ainda o lançamento do Livro Foto-Poemas "Aquilo que eu não pensei", de Fabrício Wolff e Eraldo Schnaider.
A atração musical ficará sob o comando do grupo New Vision, da Acevali. A noite contará ainda com a performance apresentada pelo Coletivo Shakespeare Livre. Continua também aberta à visitação a exposição Arte/Cidade: Singular e Plural do Grupo Balbúrdia - projeto Arte na Cidade -, do Sesc Blumenau. A promoção começa às 19h, com a conversa com os artistas. Professores, arte-educadores, coordenadores-pedagógicos, artistas, acadêmicos, alunos de arte e a comunidade em geral estão convidados a participar desse bate-papo.
Em relevo
Na exposição "Manufaturado", a forma, o volume e o acaso marcam fortemente a obra de Maria Carmen von Linsingen. "Pelas cores, lãs de ovelhas, cardadas, não fiadas e feltradas, a obra aos poucos vai ganhando vida pelas suas mãos. O que caracteriza as suas peças é o volume: em baixo e alto relevo, tecida e construída com agulhas, lãs e feltros", diz Teresinha Heimann, presidente do Instituto de Artes Integradas de Blumenau (INARTI). "Sua obra prende, floresce e incendeia a imaginação de quem a observa, criando uma sólida  relação entre o observador e os materiais e estes entre si", explica.
Com a imagem, o punctum, a fatura, Elke Hülse procura uma forma de dialogar e saudar pressupostos da história da arte que são atemporais. "A artista faz isto através de uma técnica minuciosa, extremamente cautelosa e bem planejada, onde o fazer reflete o pensamento complexo e minucioso desta artista que vem a tantos anos se dedicando à arte da tapeçaria", comenta Luciane Garcez, mestre em Teoria História da Arte e Doutoranda em Estudos e Ciências da Arte.
Fotografias pontualmente escolhidas são ponto de partida desta série de trabalhos que, segundo Elke Hulse, passam pela ordem do afeto e da proximidade. "Sua obra brinca com a memória, mas não no sentido narrativo ou verbal, e sim através de uma perspectiva visual que empilha tempos e afetos", comenta Luciane Garcez.
Em "O Universo Onírico de Jandira Lorenz", o desenho assume grandes proporções em qualidade técnica e imagética. "A quantidade de referências mitológicas, literárias e simbólicas povoam de modo a desestabilizar o espaço da tela em direção a um olhar que contempla a observação do todo, mas sugere de modo muito veemente que o detalhe, os infindáveis detalhes, prendam o olhar do espectador por longo tempo", observa Roberto Anastácio Martins, diretor Regional do Sesc Santa Catarina. "Ou seja, tal como um grande panorama, os desenhos de Jandira parecem inesgotáveis de interpretações, correlações e sugestões narrativas", completa.
Em [IDEIA CIRCULAR], para Rafael Erichsen da Silveira o homem sempre está procurando padrões. É seu instinto. Padrões, quando vistos de cima, formam um novo padrão. E à medida que são identificados, o público entende mais sobre a lógica das coisas. Não é raro de se encontrar a mesma lógica em padrões distantes, como o átomo e a galáxia. É circular. Traços com o mesmo ângulo, curvas, retas, triângulos, quadrados, folhas, flores, letras, peixes, asas. E círculos. Ao desenhar, o artista procura criar padrões. É o instinto.
O comportamento afetivo das ervas daninhas é apresentado por Jéssica Luz, catarinense que atualmente reside em Curitiba, em seis fases: do corte; dos afetos, da opressão; do incontrolável, das mágoas guardadas e do cortejo.
A visitação às exposições O Universo Onírico, de Jandira Lorenz, e Cidade Aberta - Grupo Balbúrdia poderá ser feita até 31 de maio. As demais exposições seguem até o dia 16 de junho. Sempre de terça-feira a domingo das 10h às 16h.
Paralelo às novidades do MAB, prossegue a Exposição do Coletivo Balbúrdia Arte/Cidade: Singular e Plural, realização do Sesc Blumenau com curadoria de Aline Assumpção.
Visitas mediadas podem ser marcadas pelo telefone 3381-6176. A entrada é franca.
Na Noite Multicultural, o jornalista Fabrício Wolff e o publicitário Eraldo Schnaider lançam o livro de foto-poemas "Aquilo que eu não pensei", projeto contemplado pelo Fundo Municipal de Apoio à Cultura. A obra de 71 páginas traz 28 poemas e 28 fotografias em mil exemplares que mostram a simbiose natural existente entre texto e imagem. Casa poemas e imagens que foram concebidos sem combinação entre escritor e fotógrafo.
Os poemas de Fabrício Wolff foram escritos, em sua grande maioria, nos anos 1980. Seis deles são mais recentes. As fotografias de Eraldo Schnaider fazem parte de seu acervo dos últimos 15 anos. A ideia colocada em prática foi exatamente reunir o material e buscar uma cumplicidade entre textos e imagens. Como diz a apresentação do livro, não se trata de um casamento arranjado. É uma união sem prévio acordo, "feito pão francês e margarina, churrasco e cerveja, queijo e goiabada, champagne e caviar".

Serviço:
Noite Multicultural, com a abertura das exposições no MAB
Data: quinta-feira, dia 2 de maio
Horário: a partir das 19h
Local: Fundação Cultural de Blumenau
Visitação: até 16 de junho. De terça-feira a domingo, das 10h às 16h. Visitas mediadas podem ser marcadas pelo telefone 3381-6176
Entrada franca

Fonte: Mia Ávila, gerente do MAB  (47 3381-6176 / 9927-9877), e Ricardo Pimenta, diretor de Cultura da Fundação Cultural de Blumenau (47 3381- 6193)
Assessor de Comunicação Sergio Antonello (47 3381-6190 / 9977-8689)