sexta-feira, 22 de maio de 2015

Uma exposição de arte diferente onde o espectador pode tocar na obra

Inclusão social voltada à arte, essa é proposta de uma exposição sensorial promovida pelo museu de arte de Blumenau. Ações como essa, podem parecer pequenas, mas para quem tem uma limitação fazem toda a diferença.

Abaixo o link da reportagem realizada pela RICTV Record

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Atividade intensa nos museus até sexta-feira




Os museus da Família Colonial, Hábitos e Costumes e de Arte, da Fundação Cultural de Blumenau (FCB), estão em plena atividade especial da 13ª Semana Nacional dos Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para comemorar o Dia Internacional dos Museus, transcorrido em 18 de maio. Todos os museus brasileiros se mobilizam com programações em torno da temática "Museus para uma Sociedade Sustentável". A FCB preparou palestras e oficinas gratuitas para marcar a data. As vagas são limitadas e as inscrições devem ser providenciadas pelo telefone (47) 3381- 7979.

A programação começou segunda-feira, com a abertura da exposição "Maio, Marias, Mulheres, Noivas, Reflexões", no Museu da Família Colonial. A mostra reúne vestidos de noivas, fotografias de casamento antigas, pinturas "Marias", da artista plástica Marlene da Silveira (Imamaiah), e equipamentos utilizados pelas mulheres para preparação do enxoval. Também foi oferecida uma Oficina de Capacitação - Espaços, memórias... uma história, com visita ao Centro Histórico da cidade com a contextualização, tendo como palestrante historiadora Sueli Maria Vanzuita Petry.



Veja a programação desta sexta-feira

22 de maio

Palestra: A magia do Brinquedo Popular e sobre o livro "Que boneca é essa? Corte e recorte de mestras brasileiras

Palestrante: Maria do Carmo, graduada em Licenciatura em Desenho - Universidade Federal de Santa Maria (RS). Atualmente, consultora do Instituto Terceiro Setor  Brasília (DF). Autora do "Que boneca é essa? Corte e recorte de mestras brasileiras"

Horário: 13h30 às 17h

Objetivo: ampliar a divulgação e o alcance social, cultural e econômico do fazer artesanal na área da lúdica infantil. Promover ainda uma troca de diálogos sobre o saber, as histórias e os registros fotográficos das 119 artesãs cadastradas no período de pesquisa de campo

Local: Museu de Hábitos e Costumes

Vagas: 30



Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Vídeo

Veja trechos da noite de abertura da 2ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB). A mostra recebe visitas de terça-feira a domingo, das 10h às 16h, sempre com entrada gratuita. A exposição permanece no MAB até 16 de junho.



Semana Nacional de Museus


A Fundação Cultural de Blumenau, através dos museus da Família Colonial, Hábitos e Costumes e de Arte (MAB), participa da 13ª Semana Nacional dos Museus, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para comemorar o Dia Internacional dos Museus - 18 de maio. Na oportunidade, todos os museus brasileiros se mobilizam com programações em torno da temática “Museus para uma Sociedade Sustentável”. A Fundação Cultural preparou palestra e oficina gratuitas para marcar a data. As vagas são limitadas e as inscrições devem ser realizadas pelo telefone (47) 3381- 7979.


quarta-feira, 13 de maio de 2015

MAB recebe professores do CEI Daniel Bressanini



Na segunda-feira, 11 de maio, o Museu de Arte de Blumenau (MAB) abriu as salas expositivas especialmente para receber um grupo de 17 professores do Centro de Educação Infantil (CEI) Daniel Bressanini. O grupo participou de roteiro acompanhado pela coordenadora pedagógica Adriana Beckhauser Souza. A visita foi agendada com o objetivo de dar continuidade à temática sobre "Observação", que Adriana está trabalhando unidade de ensino com os professores.

A partir da visita mediada nas salas expositivas, os professores foram estimulados a fazer a leitura de imagem das obras. “Através dessas leituras, puderam refletir sobre a importância da observação, do olhar e de como é possível "ver" mais e de como esse olhar e a arte, em suas diversas ramificações, podem auxiliar nas ações cotidianas simples ou complexas no ensino e na aprendizagem”, comenta a gerente do MAB, Mia Ávila.

Adriana Beckhauser acredita que a arte permite que as pessoas olhem para o mesmo local, mas possam ver algo diferente. “Cada qual com o seu olhar, cultura, interesse ou desinteresse. Por isso, pensamos no MAB/Fundação Cultural para nos ajudar a ve o que há por trás de traços, ideias, cores, materiais”, salientou a coordenadora. “Com esse foco na observação, vocês nos ajudam a levar esse tema às crianças e professores através das artes. Acredito ser indispensável estarmos neste local, que respira arte, para vivenciarmos este novo olhar".

Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello

Exposição causa emoção a membros da Acevali



Público prestigia a abertura da 2ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB). Festa na noite de quinta-feira, dia 7 de maio, na Fundação Cultural de Blumenau (FCB) teve conversa com os artistas, música, poesias e coquetel. A mostra recebe visitas de terça-feira a domingo, das 10h às 16h, sempre com entrada gratuita. A exposição permanece no MAB até 16 de junho.

A temporada conta com as exposições "Cicatriz", da artista Malka Borenstein, "Coletiva de uma artista só", de Lenora Rosenfield, "Traços Expostos", de Danny Bittencourt, "Obturador ambulante", de Marco Antonio Stello, e de obras do acervo do MAB de artistas expoentes da arte catarinense, como Elke Hering, Linda Poll e Ademir dos Santos, o "Russo".

Os artistas expositores marcaram presença no evento e confraternizaram com os amantes da arte. Alguns não puderam comparecer, como foi o caso de Marco Antonio Stello, da Exposição Obturador Ambulante. Mas ele esteve no MAB no dia 2 de maio para a montagem e tem acompanhado tudo via internet. “Expor em um museu com a representatividade que o MAB tem para o cenário artístico do Estado é uma baita porta que se abre. Quando soube do resultado do edital fiquei muito feliz, espero que o público goste do Obturador Ambulante”, comenta o artista de Chapecó.

Artistas emocionados

No dia seguinte a abertura, o MAB promoveu com apoio do Centro Braille da FCB um encontro das artistas Malka Borenstein e Lenora Rosenfield com membros da Associação de Cegos do Vale do Itajaí (Acevali). Durante aproximadamente duas horas, artistas e visitantes puderam conversar sobre arte, trocar experiências e vivências, compartilhar sentimentos e emoções. Para as artistas, foi um momento gratificante que despertou o desejo de estudo-pesquisa para desenvolver projetos prevendo a acessibilidade. Os membros da Acevali expressaram emoção por se sentirem acolhidos. O tratamento dispensado pelo MAB/Fundação Cultural e a presença das artistas expositoras fez com que se sentissem pensados e valorizados.



A artista paulistana Malka Borenstein considera uma honra ter sido selecionada para mostrar seu trabalho. “É um privilégio ter a minha proposta encaminhada para o edital de exposições temporárias selecionada. A importância é ser escolhida entre tantas pessoas com bons trabalhos”, diz ela. “Ressalto o trabalho do MAB e da comissão de análise das propostas, pela seleção dos temas e diálogos entre as exposições. Fiquei muito agradecida.”

Com relação à ação educativa de sexta-feira, dia 8 de maio, Malka considera uma experiência marcante e inesquecível. “Provavelmente monte uma série onde possa falar sobre a gratidão. Fiquei muito emocionada e me coloco à disposição para outros projetos.”

A gaúcha Lenora Rosenfield, da Exposição Coletiva de uma artista só, também ficou satisfeita com o evento. “A experiência de ter vindo a Blumenau para expor superou minhas expectativas, por ver que cidade tem uma grande movimentação cultural. Recebe muito bem as pessoas de fora”, diz ela, que é Porto Alegre (RS). “A abertura da exposição foi muito intensa para mim por ter vários artistas participando, dando depoimentos sobre seus trabalhos. Essa concentração de cultura me deu um grande retorno emocional. Fiquei impressionada como a Fundação consegue motivar as pessoas a virem aqui para participar de uma atividade cultural”, destaca.

Sobre a ação educativa com o grupo da Acevali, Lenora conta que a motivação para se dedicar a esse momento foi uma experiência sua aos 16 anos, em uma conversa que teve sobre cores com um cego. “Ele perdeu a visão quando tinha 7 anos e o que me impressionou nessa experiência foi uma criança com 7 anos ter essa preocupação de conhecer, visualizar obras de arte para reter em sua memória essas cores e formas”, comenta. “Essa experiência de hoje me emocionou e sensibilizou profundamente, pois alguns cegos descreveram a emoção que sentiram ao visitar a exposição. Isso propiciou a eles experiência tátil, onde puderam perceber o movimento da dança, de saltar e cair, expressos na obra intitulada Movimento. Uma participante das atividades além de ter percebido o que estava ali representado, através de sua leitura da obra descreveu minha personalidade.”

O coordenador da Acevali Marcos Paulo Albert considera um enorme prazer trazê-los para o MAB. “Aqui eles estão vivenciado emoções diferentes. Aqui eles estão tendo a possibilidade de conhecer o trabalho de uma grande artista e professora Lenora Rosenfield. São em maioria idosos, que ao sentir o trabalho artístico relembram vivências de infância e que chegam a se emocionar quando uma instituição prepara um espaço para recebê-los. Sentem-se valorizados.”

Um dos membros da Acevali, Luiz Francisco Feller não conseguiu esconder sua felicidade com a ação. “Me sinto alegre, é uma energia diferente estar sentido as telas e saber que uma artista profissional trabalhou nelas. Agradeço de coração o que estão fazendo por mim e pelo meus colegas presentes aqui nesse museu.”

Outro membro da Acevali, Gilberto Pereira se sente acolhido e valorizado pela instituição e pelas artistas. “Todos demonstram se preocupar conosco. Não faz muito tempo que perdi a visão. Anteriormente tinha a possibilidade de apreciar obras de arte e nunca reservei tempo para isso. Nunca imaginei que iria sentir, ver uma obra de arte, uma pintura, através dos meus dedos”, conclui o ilustre visitante do MAB.


Saiba mais

O que: 2ª Temporada de Exposições

Onde: Museu de Arte de Blumenau (MAB), Rua XV de Novembro, 161, Centro

Visitação: de terça-feira a domingo, das 10h às 16h, até 16 de junho

Visitas mediadas podem ser marcadas pelo telefone (47) 3381-6176

Entrada franca



Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Exposição causa emoção a membros da Acevali
Primeira ação após a inauguração da segunda temporada foi direcionada para cegos.

Público prestigia a abertura da 2ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB). Festa na noite de quinta-feira, dia 7 de maio, na Fundação Cultural de Blumenau (FCB) teve conversa com os artistas, música, poesias e coquetel. A mostra recebe visitas de terça-feira a domingo, das 10h às 16h, sempre com entrada gratuita. A exposição permanece no MAB até 16 de junho.
A temporada conta com as exposições "Cicatriz", da artista Malka Borenstein, "Coletiva de uma artista só", de Lenora Rosenfield, "Traços Expostos", de Danny Bittencourt, "Obturador ambulante", de Marco Antonio Stello, e de obras do acervo do MAB de artistas expoentes da arte catarinense, como Elke Hering, Linda Poll e Ademir dos Santos, o "Russo".
Os artistas expositores marcaram presença no evento e confraternizaram com os amantes da arte. Alguns não puderam comparecer, como foi o caso de Marco Antonio Stello, da Exposição Obturador Ambulante. Mas ele esteve no MAB no dia 2 de maio para a montagem e tem acompanhado tudo via internet. “Expor em um museu com a representatividade que o MAB tem para o cenário artístico do Estado é uma baita porta que se abre. Quando soube do resultado do edital fiquei muito feliz, espero que o público goste do Obturador Ambulante”, comenta o artista de Chapecó.
Artistas emocionados
No dia seguinte a abertura, o MAB promoveu com apoio do Centro Braille da FCB um encontro das artistas Malka Borenstein e Lenora Rosenfield com membros da Associação de Cegos do Vale do Itajaí (Acevali). Durante aproximadamente duas horas, artistas e visitantes puderam conversar sobre arte, trocar experiências e vivências, compartilhar sentimentos e emoções. Para as artistas, foi um momento gratificante que despertou o desejo de estudo-pesquisa para desenvolver projetos prevendo a acessibilidade. Os membros da Acevali expressaram emoção por se sentirem acolhidos. O tratamento dispensado pelo MAB/Fundação Cultural e a presença das artistas expositoras fez com que se sentissem pensados e valorizados.
A artista paulistana Malka Borenstein considera uma honra ter sido selecionada para mostrar seu trabalho. “É um privilégio ter a minha proposta encaminhada para o edital de exposições temporárias selecionada. A importância é ser escolhida entre tantas pessoas com bons trabalhos”, diz ela. “Ressalto o trabalho do MAB e da comissão de análise das propostas, pela seleção dos temas e diálogos entre as exposições. Fiquei muito agradecida.”
Com relação à ação educativa de sexta-feira, dia 8 de maio, Malka considera uma experiência marcante e inesquecível. “Provavelmente monte uma série onde possa falar sobre a gratidão. Fiquei muito emocionada e me coloco à disposição para outros projetos.”
A gaúcha Lenora Rosenfield, da Exposição Coletiva de uma artista só, também ficou satisfeita com o evento. “A experiência de ter vindo a Blumenau para expor superou minhas expectativas, por ver que cidade tem uma grande movimentação cultural. Recebe muito bem as pessoas de fora”, diz ela, que é Porto Alegre (RS). “A abertura da exposição foi muito intensa para mim por ter vários artistas participando, dando depoimentos sobre seus trabalhos. Essa concentração de cultura me deu um grande retorno emocional. Fiquei impressionada como a Fundação consegue motivar as pessoas a virem aqui para participar de uma atividade cultural”, destaca.
Sobre a ação educativa com o grupo da Acevali, Lenora conta que a motivação para se dedicar a esse momento foi uma experiência sua aos 16 anos, em uma conversa que teve sobre cores com um cego. “Ele perdeu a visão quando tinha 7 anos e o que me impressionou nessa experiência foi uma criança com 7 anos ter essa preocupação de conhecer, visualizar obras de arte para reter em sua memória essas cores e formas”, comenta. “Essa experiência de hoje me emocionou e sensibilizou profundamente, pois alguns cegos descreveram a emoção que sentiram ao visitar a exposição. Isso propiciou a eles experiência tátil, onde puderam perceber o movimento da dança, de saltar e cair, expressos na obra intitulada Movimento. Uma participante das atividades além de ter percebido o que estava ali representado, através de sua leitura da obra descreveu minha personalidade.”
O coordenador da Acevali Marcos Paulo Albert considera um enorme prazer trazê-los para o MAB. “Aqui eles estão vivenciado emoções diferentes. Aqui eles estão tendo a possibilidade de conhecer o trabalho de uma grande artista e professora Lenora Rosenfield. São em maioria idosos, que ao sentir o trabalho artístico relembram vivências de infância e que chegam a se emocionar quando uma instituição prepara um espaço para recebê-los. Sentem-se valorizados.”
Um dos membros da Acevali, Luiz Francisco Feller não conseguiu esconder sua felicidade com a ação. “Me sinto alegre, é uma energia diferente estar sentido as telas e saber que uma artista profissional trabalhou nelas. Agradeço de coração o que estão fazendo por mim e pelo meus colegas presentes aqui nesse museu.”
Outro membro da Acevali, Gilberto Pereira se sente acolhido e valorizado pela instituição e pelas artistas. “Todos demonstram se preocupar conosco. Não faz muito tempo que perdi a visão. Anteriormente tinha a possibilidade de apreciar obras de arte e nunca reservei tempo para isso. Nunca imaginei que iria sentir, ver uma obra de arte, uma pintura, através dos meus dedos”, conclui o ilustre visitante do MAB.
Saiba mais
O que: 2ª Temporada de Exposições
Onde: Museu de Arte de Blumenau (MAB), Rua XV de Novembro, 161, Centro
Visitação: de terça-feira a domingo, das 10h às 16h, até 16 de junho
Visitas mediadas podem ser marcadas pelo telefone (47) 3381-6176
Entrada franca

Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello

quarta-feira, 6 de maio de 2015

MAB abre segunda temporada de exposições
Noite festiva recebe público amante da arte a partir das 19h. A mostra pode ser visitada gratuitamente até 16 de junho.


A noite desta quinta-feira, 7 de maio, promete. Vem aí a festa de abertura da 2ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB). E os apreciadores da arte estão convidados a prestigiar mais este evento na Fundação Cultural de Blumenau (Rua XV de Novembro, 161, Centro, Blumenau). A noite de abertura das exposições contará com atração musical embalada pelo Sambaleiro Trio e Carlos Schrubbe e declamação de poemas por Val Pergee e Maria de Lourdes Scottini Heiden, representantes da Sociedade dos Escritores de Blumenau.
A segunda temporada será aberta às 19h com a tradicional conversa com os artistas. A visitação das salas poderá ser feita em seguida e posteriormente de terça-feira a domingo, das 10h às 16h, sempre com entrada gratuita. A mostra fica aberta até 16 de junho.
A temporada contará com as exposições "Cicatriz", da artista Malka Borenstein, "Coletiva de uma artista só", de Lenora Rosenfield, "Traços Expostos", de Danny Bittencourt, "Obturador ambulante", de Marco Antonio Stello, e de obras do acervo do  MAB de artistas expoentes da arte catarinense, como Elke Hering, Linda Poll e Ademir dos Santos, o "Russo".

As atrações

Na Sala Oficial, o público poderá apreciar a exposição Cicatriz da paulistana Malka Borenstein. A artista produz obras a partir de relações de afeto que estabelece com o material e o espaço escolhido. Nesta exposição, apresenta pinturas feitas predominantemente com tinta acrílica. “Estou muito contente por ter sido escolhida pelo MAB, que é uma referência no mundo da arte. Estou a disposição na noite de abertura para conversar com todos e para acompanhar a visitação”, comenta a artista.
Na Sala Especial, o MAB preparou a exposição Coletiva de uma artista só, com trabalhos da artista gaúcha Lenora Rosenfield. Esta é primeira vez que ela mostra seu talento em Santa Catarina. Trata-se de seleto conjunto da trajetória artística da gaúcha que conta a evolução de sua pintura, partindo da década de 1980. Os trabalhos apresentados fazem parte de um recorte minimalista da trajetória de mais de 40 anos da artista, por isso o nome "Coletiva de um artista só". Para a curadora Daniela Kern, responsável pelo livro a ser lançado em 2016 acerca da trajetória da pintora, o caminho em busca do conhecimento e das experiências que Lenora considerou necessários a sua formação artística foram fundamentais para rapidamente alçar consistência e maturidade na pintura.
Na Sala Elke Hering, o público poderá apreciar a exposição Traços Expostos, de Danny Bittencourt, uma artista visual nascida em Porto Alegre, onde vive, que tem se dedicado à fotografia como forma de expressão, seja em seu trabalho autoral como em suas aulas. Em março de 2014, fundou a Escola de Fotografia Artística a partir da vontade de estimular e inspirar os alunos a se expressarem pela fotografia. O trabalho autoral de Danny tem base na fotografia artística, como processo, execução e suas possíveis intervenções. Essa mostra tem por objetivo estimular a apresentação de sentimentos pouco representados, por serem doloridos, tais como a angústia, solidão e a saudade. Em tempos de intensa circulação de imagem, a constante representação de felicidade e sucesso sufoca os outros sentimentos que também constroem a identidade e experiência dos sujeitos.
A Sala Alberto Luz abrigará a exposição Obturador Ambulante, do redator publicitário, professor universitário e fotógrafo Marco Antonio Stello, de Chapecó. O artista explora os detalhes do cotidiano urbano, as ruas, as pessoas, a arquitetura e a natureza, mostrando através da sua percepção um universo à parte dos olhos de quem o vê.
Também na Sala Alberto Luz e Galeria do Papel o visitante poderá apreciar obras de expoentes da Arte Catarinense pertencentes ao acervo do Museu de Arte de Blumenau, tais como Elke Hering, Linda Poll, Ademir dos Santos o "Russo", entre outros.

Saiba mais
O que: 2ª Temporada de Exposições
Onde: Museu de Arte de Blumenau (MAB), Rua XV de Novembro, 161, Centro
Abertura: 7 de maio, às 19h
Horários:
19h: conversa com os artistas e curadores
20h: abertura da 2ª Temporada de Exposições do MAB, com apresentação musical e declamação de poemas
Visitação: de terça-feira a domingo, das 10h às 16h, até 16 de junho
Visitas mediadas podem ser marcadas pelo telefone (47) 3381-6176
Entrada franca
Assessor de Comunicação: Sérgio Antonello