sexta-feira, 1 de julho de 2016

Karina Zen expõe Modos de Permanência

Nas imagens da Exposição Modos de Permanência, esculturas de arte sacra e animais taxidermizados ganham animação a partir da fotografia. As imagens que habitavam o imaginário dos artistas que fizeram as esculturas e as taxidermias são recuperadas quando são fotografadas em posição de retrato. Quando assumem a condição de sujeito, o que estava ausente, agora se faz presente. O talento da artista Karina Zen estará presente na 3ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB), que será lançada em clima festivo na noite de quinta-feira, 7 de julho, na Fundação Cultural.


Em Modos de Permanência, a imagem fotográfica é o lugar de sobrevivência dos elementos que compõem esta cadeia de substituições e a sala expositiva, seu espaço de coexistência. Em texto crítico sobre essa exposição, Fernanda Pita destaca a taxidermia como um procedimento científico com finalidade didática. “Tem por objetivo preservar um exemplar animal, conservando determinadas características que o tornem reconhecível: ossos, pele, pelo e plumagem”, diz ela. “Ou ainda, uma determinada situação: pose de caça, certa maneira de escalar uma árvore, sua performance em seu habitat. Através dele, o leigo conhece características da espécie que o zoólogo investiga no interior de seu gabinete ou em campo.”

Algo aproxima esses objetos das imagens de santos. Embora sejam imagens de naturezas diferentes, parece haver uma qualidade compartilhada entre elas. As imagens de santos devem simbolizar uma presença espiritual, mas também evitar a idolatria. “A pose, as roupas, os cabelos ou a maquiagem com que são caracterizados falam-nos de seus atributos, feitos, ensinamentos. São também, a sua maneira, objetos de ensino,” comenta Fernanda. “Tais práticas, no entanto, podem parecer, aos olhos de alguns de nós, estranhas, tocadas por um aspecto mórbido, de mau-gosto. Talvez porque a morte tenha se tornado quase insuportável e, portanto, seja cada vez mais invisível. A maneira com que evidencia a ausência pode ter tornado a taxidermia incômoda, assim como a imagem sacra.”

O trabalho de Karina Zen lida com essa característica de modo curioso. Através da lente, aquilo que estava ausente se torna presente. O olhar fotográfico anima o objeto fotografado, tornando-o sujeito da observação. “O enquadramento é capaz de reconhecer, sugerir interação, dar vida àquelas figuras mortas. De itens excêntricos de coleções obsoletas, passam a evocar aquilo que a morte não consegue apagar – a graça de um semblante, a ironia de um olhar, o impacto de uma emoção. Tudo que a memória pode guardar e que se torna presente, novamente, no instante.”

Saiba mais
Abertura da 3ª Temporada de Exposições no MAB
Quando: quinta-feira, dia 7 de julho

Horários:
19h: conversa com os artistas
20h: abertura da exposições, lançamento de livro, declamação de poemas pela Sociedade Escritores Blumenau (SEB) e Academia de Letras Blumenauense. Apresentações do Grupo Barbotina e da Banda Municipal de Blumenau
Outras atrações: obras de Karina Zen (Florianópolis); Luccubus (Ribeirão Preto); e Coletivo [R] existência, composto por Audrian Cassanelli, Juliana Povola, Marilia Hermes e Rafael Silva (Chapecó)
Visitas: até 21 de agosto. De terça-feira a domingo, das 10h às 16h
Visitas mediadas: agendamentos pelo telefone (47) 3381-6176
Entrada franca

Sobre a artista: Karina Zen - São Paulo, 1968.
Formação: Fotografia - Especialização em Cor na Escola Riccardo Bauer em Milão, Itália. Em 2008 inicia sua inserção no circuito de arte contemporânea. Trabalha com fotografia, vídeo e instalação para a realização de suas obras.
Principais exposições: XVIII Bienal de Cerveira, Portugal; Prêmio Diário Contemporânea, Belém;  Modos de Permanência - Centro Universitário Maria Antônia, São Paulo/SP; Vídeos da Coleção MAR, Museu de Arte do Rio/RJ; Prêmio Lapsus, Fondazione Studio Marangoni - Florença/Italia; Teatro Studio Scandicci - Florença/Italia; Eu fui o que tu és e tu serás o que eu sou - Curadoria Josué Mattos, Paço das Artes - São Paulo/ SP;
Prêmios: 32° Arte Pará, Belém/PA; Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo a Cultura - Florianópolis/SC; 3° Prêmio Belvedere Paraty de Arte Contemporânea - Paraty/RJ; Salão de Arte de Mato Grosso do Sul/MS; 11° Salão de Artes Visuais de Guarulhos/SP; Coleções permanentes Museu de Arte do Rio - M.A.R. e Museu de Arte Contemporânea de Campo Grande/

MS.

MAB abre as portas para Coletivo Odradekianas

A 3ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB) será lançada em clima festivo na noite de quinta-feira, 7 de julho, na Fundação Cultural. A Exposição Odradekianas, do coletivo com mesmo nome, é uma das atrações da temporada e estará esperando os visitantes na Sala Alberto Luz. Os projetos foram aprovados pelo Fundo Municipal de Apoio à Cultura (FMAC).



O Coletivo Odradekianas é formado pelas artistas Ilka Barcellos, Maria Carmen von Linsingen, Rosana Bortolin e Sara Ramos. O projeto da exposição foi contemplado pelo FMAC. As artistas participam da "conversa com os artistas". Na ocasião, serão distribuídos catálogos e folders referentes à mostra. Outra novidade será a exibição do curta-documentário, inédito e homônimo, produzido a partir de entrevistas com as artistas em seus espaços de trabalho
Odradek é o título de um conto e também o nome do protagonista descrito por Kafka como uma criatura cuja forma é difícil de reconhecer, possui domicílio incerto, apresenta grande mobilidade e não se deixa capturar. Trata-se de um ser impossível, uma invenção que ultrapassa a mais palpável das realidades e segundo seu autor um ser inexistente que sobrevive ao existente.
Segundo a curadora da exposição, a professora de História da Arte Rosângela Cherem, as artistas que comparecem nesta exposição não esculpem nem fundem, mas operam por meio de gestos relacionados ao ato de modelar, apalpar, amassar, torcer. “Por meio de procedimentos que desconhecem a ordem e a classificação, conseguem articular os reinos animal e vegetal, as naturezas orgânica e artificial, os limites entre provável e possível, previsível e impremeditável”, salienta. “O resultado consiste na criação de formas autônomas e em constante metamorfose, coisas díspares e súbitas que aproximam e validam heteróclitos que se tornam compostos de familiaridades e estranhezas.”

As artistas
Ilca Barcelos (Pelotas/RS): ao permitir que a matéria vá indicando a forma, seres híbridos são engendrados como seres-objetos que se multiplicam e espalham pelas paredes e chão, remetendo às formas onde não há hierarquia nem precedência, sendo que as criaturas parecem contestar a própria ontologia.

Maria Carmen von Linsingen (Florianópolis/SC): os feltros são um desdobramento do trabalho da tecelã que acaba por criar novas formas, nas quais os compósitos vegetais e as pedras preciosas engendram uma natureza outra, nem vivente e nem mineral, mas criações oriundas de um jardim das delícias em que a cartela singular de cores nada mais faz do que lançar o fascínio e o desejo de reconhecer aquilo que medrou apenas na manhã adâmica.

Rosana Bortolin (Passo Fundo/RS): as formas rugosas que perturbam a solidez do corpo e interrogam a matéria orgânica apresentam uma espécie de provocação ou ironia demolidora, sendo que os orifícios e entranhas remetem ao mistério da criação e assinalam a perturbadora proximidade entre os mais diferentes seres vivos e a natureza mineral comum a todos.

Sara Ramos (Florianópolis/SC): ao lutar com a matéria para fazer dela outra coisa, cria seres totêmicos em proporção quase humana, onde o lúdico e o decorativo surgem com leveza e bom humor, mas também comparecem pequenos seres alheios ao olhar do outro, presos em seu isolamento. Assim, considerando estas duas possibilidades, o que se destaca é uma espécie de espelho sutil da própria complexidade humana, quer em situação de disfarce tribal, quer em cena de solidão contemporânea.

Serviço:

Abertura da 3ª Temporada de Exposições no MAB
Quando: quinta-feira, dia 7 de julho
Horários:
19h: conversa com os artistas
20h: abertura da exposições, lançamento de livro, declamação de poemas pela Sociedade Escritores Blumenau (SEB) e Academia de Letras Blumenauense. Apresentações do Grupo Barbotina e da Banda Municipal de Blumenau
Outras atrações: obras de Karina Zen (Florianópolis); Luccubus (Ribeirão Preto); e Coletivo [R] existência, composto por Audrian Cassanelli, Juliana Povola, Marilia Hermes e Rafael Silva (Chapecó)
Visitas: até 21 de agosto. De terça-feira a domingo, das 10h às 16h
Visitas mediadas: agendamentos pelo telefone (47) 3381-6176

Entrada franca

MAB anuncia atrações da terceira temporada de exposições

             A 3ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB) deste ano tem abertura marcada para o dia 7 de julho, trazendo obras de Karina Zen (Florianópolis); do Coletivo Odradekianas - Maria Carmem von Linsingen (Blumenau), Ilca Barcellos, Rosana Bortolin e Sara Ramos (Florianópolis); Kelly Kreis (Florianópolis); Luccubus (Ribeirão Preto); e do Coletivo [R] existência, composto por Audrian Cassanelli, Juliana Povola, Marilia Hermes e Rafael Silva (Chapecó).


As narrativas construídas por esses 11 artistas, por meio de diferentes linguagens das artes visuais como a fotografia, a pintura, o desenho, entre outras, trazem referências de vida, de indignações, de fragmentos reais ou imaginários acumulados na memória, que reinventados em outras formas de permanência tornam-se presentes.

A abertura da temporada contará com a tradicional conversa com os artistas; apresentação do Grupo Barbotina - arte em processo; lançamento do livro "O homem, sua ilha e outros poemas..." de autoria de Maria de Lourdes Scottini Heiden; declamações de poemas e apresentação da Banda Municipal de Blumenau. 

A visitação às exposições do MAB poderá ser feita até 21 de agosto, de terça-feira a domingo, das 10h às 16h, sempre com entrada gratuita.

Serviço
Abertura da 3ª Temporada de Exposições do MAB
Data: 7 de julho, quinta-feira
Horários:
19h: conversa com os artistas
20h: abertura, lançamento de livro, declamações de poemas, apresentações do Grupo Barbotina e da Banda Municipal de Blumenau.

Visitação: até 21 de agosto. De terça-feira a domingo, das 10h às 16h
Visitas mediadas: agendamentos pelo telefone (47) 3381-6176
Entrada franca